R$1.350

JUSTIÇA RESTAURATIVA - curso de introdução com Monica Mumme

Ações e painel de detalhes

R$1.350

Informações do evento

Compartilhar este evento

Data e hora

Localização

Localização

Evento on-line

Política de reembolso

Política de reembolso

Reembolsos até 1 dia antes do evento

Descrição do evento
JUSTIÇA RESTAURATIVA - Um PerCurso sobre convivências - filosofia, conceitos, vivências e práticas

Sobre este evento

Processos de Convivência - 2022

JUSTIÇA RESTAURATIVA

um percurso sobre convivências

filosofia,conceitos, vivências e práticas

curso de introdução

com Monica Mumme

48 horas de formação | Certificação

Encontros virtuais ao vivo - Plataforma ZOOM

Encontros semanais | 4 meses de duração | 16 encontros

5as feiras das 19h às 22h | início em 20 de janeiro de 2022

Como criar ambientes que tratem de nossas humanidades?

Como estabelecer relações dialógicas que lidam com o conflito aproveitando a potência criativa que está na sua essência?

Como lidar com a diversidade sem silenciamentos e desqualificações? 

O propósito de estar neste processo de Convivência é investigar as possibilidades de transformar conflitos e violências em matéria prima para construir relações verdadeiras e saudáveis. E através de um pensar e sentir consciente, agir na desconstrução de sistemas de convivência violentos.

Onde há seres humanos, há relações. Onde há relações, há conflitos. Onde há pessoas, existe a busca por justiça. 

E esta justiça se constrói a partir de saberes interdisciplinares, trazendo para o centro do conviver o desenvolvimento de relações dialógicas. Portanto, mais saudáveis.

A Justiça Restaurativa pode ser compreendida como uma filosofia de vida - investigação da dimensão essencial, da natureza do ser, da existência e da própria realidade.

É uma forma de pensar, refletir e investigar sobre a construção das relações em quatro dimensões: a pessoa com ela própria, nas dinâmicas interpessoais, na interação com as funções institucionais e, em uma instância macro, na convivência social. Uma maneira de agir diante dos desafios da convivência, a partir da concepção plena da responsabilidade individual e coletiva.

Convida ao resgate de saberes e fazeres ancestrais, de povos tradicionais, e propõe ações que devolvem a capacidade humana de encontrar respostas criativas para as dinâmicas relacionais e seus desafios.

A quem se destina?


		Imagem do evento JUSTIÇA RESTAURATIVA  - curso de introdução com Monica Mumme

Uma certeza tem orientado o fazer do Laboratório de Convivência: trabalhar com a Justiça Restaurativa tema tão nobre, é preciso calma, um processo artesanal, bem planejado, flexível às realidades e às demandas locais e, principalmente, envolvendo as pessoas e acolhendo suas necessidades para que este fazer seja legítimo e transformador.

Sustentar isto diante de um mundo que exige resultados e velocidade é um dos princípios do Laboratório. Onde não há tempo para o ser humano, as violências se perpetuam e passam sem serem percebidas. Os sistemas que oprimem e violam são, por vezes, sutis e engessam as mudanças e, por vezes, explícitos e buscam silenciar o direito fundamental de cada pessoa ser quem é em sua plenitude e diversidade.

Desejamos uma Justiça Restaurativa que esteja a serviço de reflexões profundas. Temos visto que isto se dá primeiro em quem aceita o ousado convite de se visitar e compreender como constrói o valor de justiça dentro de si. E neste lugar de mergulho investigativo, desvelar suas violências e a potência de curar padrões injustos, no exercício constante de um novo repertório relacional.

O que buscamos na forma de implementar a Justiça Restaurativa é contribuir para um sistema de convivência onde a Justiça se funda na união dos sentimentos e das necessidades. E neste entrelace ir além das contradições humanas e os rótulos que vem juntos para um aprendizado criativo e que opera transformações que combinem com a evolução tão necessária de todos e todas nós.

E, principalmente, a partir de cada pessoa, em um exercício de construção coletiva, que se possa lidar verdadeiramente com o complexo fenômeno das violências.

 

A Justiça Restaurativa busca, no resgate das potencialidades e fragilidades da condição humana, respostas para o desenvolvimento de alternativas diante de atos conflituosos e violentos praticados na interação das pessoas no exercício da convivência.                                                                                    

                                                                                Monica Mumme


		Imagem do evento JUSTIÇA RESTAURATIVA  - curso de introdução com Monica Mumme

Desenvolvimento da Proposta 

- Formação com o foco no desenvolvimento da convivência justa e humanizada

Compreende-se que esta formação é mais que um curso, trata-se de um PerCurso. O objetivo principal é incentivar, por meio dos encontros que criam um ambiente protegido para relacionamentos, um processo de convivência, com o foco no despertar de reflexões acerca das relações justas, colocando o ser humano, seus sentimentos e suas necessidades no centro das investigações em relação aos conceitos e teorias sobre Justiça como valor.

Compartilhar a técnica dos procedimentos restaurativos, mais especificamente, os círculos de construção de paz, proporcionando reflexões e aprendizados a partir de informações e materiais que estimulam mudanças e colaboram para as transformações de conceitos, crenças e padrões.

Este PerCurso tem como objetivo:

• Possibilitar aos participantes da Formação acessar informações teóricas que contribuam para a compreensão sobre Justiça Restaurativa, ampliando seu conhecimento acerca deste tema e construindo outros entendimentos sobre as relações: a pessoa com ela mesma; com outras pessoas; as relações inseridas em contextos institucionais, comunitários e sociais, utilizando referências que criam equilíbrios dinâmicos e convivências mais justas na prática do dia a dia.

• Contribuir para que cada integrante possa revisitar suas crenças e teorias sobre conflito, confronto, violência, justiça, injustiça e, principalmente convivência, possibilitando que percebam o seu papel e poder na construção de sistemas de convivência mais saudáveis e dialógicos.

• Apresentar outras maneiras de se resolver conflitos e ou violências, buscando no procedimento restaurativo respostas efetivas para se estabelecer um novo paradigma que está pautado nos direitos humanos fundamentais e na lógica da resolução, prevenção e transformação das relações pessoais e coletivas.

• Construir entendimentos sobre a importância do trânsito de um Sistema de Convivência que se baseia em visões analíticas das relações para uma percepção holística, compreendendo as ligações que compõem a complexa rede de relacionamentos e a interdependência entre todos e todas, com todos e todas e tudo.

Metodologia

É importante contextualizar a concepção, os princípios e os valores que o Laboratório de Convivência compreende e experimenta na prática acerca da Justiça Restaurativa, para que se possa saber a qual definição esta proposta se baseia.

O método descrito a seguir parte da premissa que as violências estruturais são transformadas gradualmente com ações contínuas, ordenadas e interligadas.

Conteúdos

Resultados esperados

Pessoas formadas nos conteúdos introdutórios apresentados, com conhecimento básico em teorias relacionadas à Justiça Restaurativa, bem como aptos a mapear situações de conflito e violência dentro do sistema de convivência e sensibilizar outras pessoas contando-lhes sobre os princípios da Justiça Restaurativa, desenvolvendo com isso práticas restaurativas nas relações cotidianas.

Pessoas aptas a realizar Círculos de Construção de Paz.

Avaliação

 Os processos implementados serão avaliados sistematicamente, utilizando ferramentas e técnicas para ouvir as pessoas envolvidas, possibilitando que crie um espaço dialógico, para acolher necessidades, de acordo com o desenvolvimento e as diretrizes do curso.

Cada participante deverá socializar suas reflexões através de um portfólio individual com registro de ideias, experiências e reflexões acerca do processo de formação. Nessa estratégia conjunta de reflexão-ação, a formação será concluída num processo de autoavaliação e construção coletiva de conhecimento.

 

O Processo Formativo

Após o curso de Introdução à Justiça Restaurativa, compreendemos que há um percurso continuado e sistemático, para que os conhecimentos sejam consolidados e aprofundados.

A partir do conteúdo trabalhado no curso de Introdução - conceitos básicos de Justiça Restaurativa e a técnica dos círculos de construção de paz-, convidamos aos participantes, que tenham interesse em prosseguir investigando o tema da Justiça Restaurativa e suas possibilidades, a participar de outras etapas, que são subsequentes, que incluem a Orientação à Prática – práticas orientadas dos círculos de construção de paz e teorias correlacionadas, o Curso de Aprofundamento e a Formação de Formadores.

As etapas subsequentes não são obrigatórias. São escolhas que trazem níveis e graduações de aprendizados.

Para saber mais entre no site:

www.laboratoriodeconvivencia.com.br 


		Imagem do evento JUSTIÇA RESTAURATIVA  - curso de introdução com Monica Mumme

Valores e Formas de Pagamento

R$ 1.350,00

EVENTBRITE

Para outras possibilidades de valor e formas de pagamento

entre em contato:

cursos@laboratoriodeconvivencia.com.br

11 94214-8048

Compartilhar com amigos

Data e hora

Localização

Evento on-line

Política de reembolso

Reembolsos até 1 dia antes do evento

{ _('Organizer Image')}

Organizador Laboratório de Convivência

Organizador de JUSTIÇA RESTAURATIVA - curso de introdução com Monica Mumme

O Laboratório de Convivência convida as pessoas a se encontrarem para aprenderem novas formas de se relacionar.

O diálogo conecta pessoas e contribui para que se acesse novos saberes e fazeres.

O que realizamos são ações e atividades que possibilitem as pessoas reconhecerem sua essência e, principalmente, suas potências para desenvolver relacionamentos mais justos, equilibrados e saudáveis. E por meio destas ações e atividades, colaborar para que as pessoas possam trazer para o seu cotidiano a experiência da justiça como um valor, compreendendo como parte deste processo o autoconhecimento e a importância de ampliar seu repertório sobre as novas tecnologias da convivência.

Salvar este evento

Evento salvo